"Há alturas em que não há ninguém lá para nos mandar falar baixo...
muito, muito baixinho. Há alturas em que precisamos de silêncio quando estamos
sozinhos. Tal como eu, neste momento. Chiu!"

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Um óptimo 2014!


E esta vai ser a minha frase para 2014:
 Se queres algo que nunca antes tiveste, tens de fazer algo que nunca antes fizeste.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013


Apetece-me desistir, mandar tudo às favas! Sinto-me a fraquejar, perdi as forças... Olho para trás e percebo que não tenho motivos para estar desiludida com ninguém, apenas comigo. Fui eu a minha maior inimiga, fui eu quem mais me traiu e sei que ninguém vai perceber o que estou a sentir neste momento. E mais uma vez, retenho-me no silêncio.

sábado, 28 de dezembro de 2013

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013


É um momento marcante para quem vê, é esgotante para nós, mas chorar mesmo com vontade é sem dúvida um dos actos que mais alívio nos dá. Sentir as lágrimas a invadirem-nos a cara, sentir aquele cansaço físico e psicológico e, ao mesmo tempo, aquele conforto no coração de sinceridade, de inocência.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013


*Há uma cumplicidade única entre duas pessoas que perderam o amor.*

Ter feito anos não foi sinónimo de ter crescido de um dia para o outro, foi apenas uma desculpa para colocar um ponto final onde já devia ter sido colocado há muito tempo. Foi um fim de uma etapa e o início de uma nova e a partir de agora as coisas vão mudar. Volto a repetir, não cresci, não mudei, mas as coisas mudaram. Arranjei uma desculpa para passar este capítulo, porque, no Domingo, cada pessoa que merecia alguma coisa de mim, provou isso. Obrigada a todos os que fizeram o meu dia, que me mostraram que mesmo quando está muita coisa mal, se estivermos todos juntos tudo fica melhor. Sei que a maioria das pessoas que estiveram comigo não vão ler isto, mas não há sítio mais especial para este agradecimento estar. Bem-vindos 17 aninhos!

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Um gesto especial...


Quando fui para o Secundário o meu treinador escreveu-me uma dedicatória. Foi algo especial para mim e ainda hoje me dá uma certa força...

*Catarina,
 é com todo o prazer que te escrevo estas breves palavras que espero serem do teu inteiro agrado.
Em primeiro lugar quero desejar-te as maiores felicidades para toda a tua vida, quer a nível pessoal quer a nível académico.
Depois, como não poderia deixar de ser, há que falar do CRB e da tua dedicação ao mesmo enquanto atleta. Agradeço-te pelo grande contributo, esforço, empenho e dedicação que dás e certamente continuarás a dar pelo clube. Já sabes que o Formação (9) é que manda, por isso, tens de meter toda a gente na ordem dentro de campo!
O Rugby é muito mais que uma modalidade, muito mais que um desporto. Aprendemos com ele a enfrentar todas as situações difíceis, os problemas e adversidades que vão surgindo na vida e a resolver os mesmos como se de uma placagem a um adversário se tratasse. Retiramos também o espírito de equipa e o companheirismo, a lealdade, dignidade e honra.
Aproveita a vida e retira dela tudo o que é de bom. Nunca te esqueças dos princípios que referi pois com eles saberás optar pelos melhores caminhos e terás as melhores decisões.
Diverte-te sempre, não percas a tua boa disposição e, como é óbvio, continua a jogar Rugby com o símbolo do CRB ao peito e com todo o sentimento que isso representa.
Um beijo do treinador e amigo,
L.B.*

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Injustiças de secundário...


No secundário há quem se esqueça que estamos todos a lutar por notas e que todos precisamos delas para o nosso futuro. Se quero entrar para medicina? Não, não quero. Se quero entrar para um curso com a média super alta? Não, também não quero. Mas todos os alunos precisam daquele pontinho a mais, não são só os alunos dos cursos 'prestigiados'. Estamos todos a lutar pelo mesmo e se é para dar pontinhos a mais, queridos professores, estamos no Natal, não metam a notinha apenas nas botinhas dos mesmos.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

O que eu aturo às 00h30

 
 
*Mensagem do J.*:
 
''Cuecas voadoras pairando sobre o teto. Cor-de-rosa. O Aladino faz o pino em cima de um tapete de wc. Rude, feio e belo, chamava ele. Continuava a gritar naquele deserto. Estava na esperança de encontrar o careca para beberem shots de chá ao pôr-do-sol e praticarem o amor eterno à luz das estrelas, cada um de sua vez. Chamava-lhe liberdade... Liberdade essa que, numa noite de forte tempestade de limonada, o levou a lamber a janela do seu quarto e sentir aquele sabor adocicado. Algo estranho surgiu nele. Caíra num sono profundo. Virara sabão azul e branco.''

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Saber escutar...


Ser amigo é saber escutar, mas para o fazermos também temos de ser ouvidos. E das poucas vezes que eu falo, gosto de ser ouvida por inteiro, de ter o papel principal! Mas há sempre quem não saiba escutar, quem não saiba despir-se de si por um segundo que seja... Roubam-nos o protagonismo e a essência daquele momento e tudo o que até então dissemos parece ser desvalorizado e mais uma vez voltamos a ser os ouvintes e não os ouvidos. Uma, duas, três vezes...sempre assim! Até chegar o dia em que simplesmente deixamos de ouvir e aí tenho a certeza que nos vamos fazer ouvir sem ser preciso mencionar uma única palavra!